.

.
Mostrando postagens com marcador Suzana Herculano. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Suzana Herculano. Mostrar todas as postagens

25 março 2018

Por que nos damos ao trabalho de viajar?


Olá Mochileiros! Tudo bem? O texto abaixo foi retirado do livro " Por que o bocejo é contagioso ? ", e explica de forma cientifica porém simples, o porque de nos darmos ao trabalho de viajar, o post sobre o porque do bocejo ser contagioso? e porque sentimos saudade? - que tem aqui no blog, vieram deste livro também; as resenhas do livro podem ser encontradas aqui e aqui.


Por que nos damos ao trabalho de viajar?

Os panfletos nas agências de viagens são lindos, com fotos maravilhosas. Dificilmente o pôr do sol no seu destino preferido será tão belo ao vivo quanto na brochura encerada. Florestas têm mosquitos; voos atrasam, barcas lotam, ônibus batem, aviões caem. Sua viagem tem tudo para dar errado.Por que, então, insistimos em fazer a coisa ao vivo, em vez de nos contentarmos com a memória das fotos perfeitas? Se podemos alimentar nosso cérebro com imagens tão lindas e perfeitas, já não é como se tivéssemos estado lá?

Acontece que, se não há outras experiencias a associar a ela, a imagem perfeita é apenas isso: uma imagem. Por isso sabemos a diferença entre o que é memória real e o que é imaginação. Por mais perfeita que pareça, a lembrança de uma foto num postal é uma evocação puramente visual, pobre em detalhes e em comparação a todas as evocações sensoriais, emocionais e contextuais de uma lembrança real vivida no mesmo lugar.


Por isso, ao voltar das sua férias, suas fotos podem não ser perfeitas como as do panfleto da agência (afinal, enquanto a sua é um instantâneo, um fotografo certamente labutou muitos dias para chegar à imagem digna de ser vendida como propaganda). Mas é a sua foto, um aide-mémoire, como dizem os franceses, que, para o seu cérebro (e os das pessoas que compartilharam a viagem com você), vem acompanhado de outras imagens, de risadas, palavras,refeições memoráveis, do calor do sol e do frescor da água, do abraço da pessoa querida em frente a um p^r do sol que a sua câmera se recusou a registrar. Nada se compara às lembranças das experiências reais, particulares ao seu cérebro - nem uma foto perfeita que outra pessoa tirou.

Me contém nos comentários o que acharam do texto. :)

Beijos!


10 outubro 2015

Porque o bocejo é contagioso ?



Oi Mochileiros,

Tudo bem?

O titulo do post veio do nome de um dos meus livros favoritos da autora e neurocientista Suzana Herculano-Houzel, não sei se vocês iram se recordar de um quadro que passava no Fantástico chamado NeuroLÓGICA , esse livro foi o que deu origem ao quadro, quem apresentava era a própria Suzana, basicamente o livro e o quadro respondem de forma simples, mas ao mesmo tempo em termos científicos, o porque de certas coisas que a gente sempre quis saber como acontece, mas nunca soube onde procurar a resposta. Como por exemplo :

  • Porque o bocejo é contagioso?
  • Porque sofremos com filmes que sabemos ser de ficção?
  • Porque sentimos saudade?
  • Porque choramos?
  • Porque roemos as unhas?
  • Porque comer dá sono?              
Para quem gosta de saber o porque das coisas, ou entender como funciona o corpo humano de uma forma divertida e fácil, o livro é um prato cheio. Recomendadíssimo!
Vou colocar abaixo o texto que responde a pergunta no titulo do post.

Porque o bocejo é contagioso?


Na verdade,não é só o bocejo que é contagioso; ele é apenas mais um tipo de comportamento por imitação, embora seja especial por nos escapar ao controle e ser extraordinariamente difícil, se não impossível, de suprimir. Graças ao acionamento automático dos neurônios-espelho no cérebro, como você acaba de ver, todas as ações que vemos alguém fazer á nossa frente são automaticamente imitadas por nós - ao menos em pensamento. Nosso cérebro ensaia mentalmente, com esses neurônios, os passos de dança ou o saque de tênis que vê o professor fazer, repete silenciosamente o gesto de girar a chave da fechadura ou quer nos reclinar na cadeira quando vê a pessoa à nossa frente fazer isso.

Se não somos macacos de imitação em permanência é porque um sistema poderoso de inibição de ações inapropriadas, que envolve o córtex pré-frontal, nos impede de levar a cabo todas as ações que os neurônios-espelho preparam automaticamente por imitação. A ação velada desses neurônios é suficiente para que eles nos sirvam para ler as intenções e as ações dos outros, sem que cheguem a causar, de fato, o mesmo comportamento. Algumas ações, no entanto, escapam ao controle pré-frontal. O bocejo, por exemplo, é um conjunto de ações reguladas pelo hipotálamo, uma estrutura na parte de baixo do cérebro, bem distante da influência das regiões mais anteriores do córtex.

Ao que tudo indica, do mesmo modo que os neurônios-espelho pré-motores, os neurônios do circuito que leva ao bocejo podem ser ativados tanto por necessidades internas, como falta de oxigênio, quanto porque vimos alguém bocejar ou lemos a palavra "bocejo". (Aliás,a esta altura você provavelmente já começou a bocejar lendo este texto!) Assim com todos os caminhos levam a Roma, todas as idéias associadas com o circuito do bocejo são capazes de ativá-lo. À diferença de imitar um passo de dança ou fazer qualquer outra ação com pés ou mãos que vemos alguém fazer, no entanto, uma vez ativado o circuito do bocejo não tem quem o iniba. O resultado você conhece: o bocejo "pega".

E qualquer outro comportamento que não esteja sujeito ao mesmo controle também é contagioso. Se você ouve as palavras"inspire profundamente", seu cérebro prepara os neurônios do bulbo, outra estrutura bem distante do controle inibitório pré-frontal, para inspirar profundamente.Com tanta preparação, você acaba assumindo autoria do comportamento preparado e vai sentindo cada vez mais vontade de inspirar profundamente, até que a tal inspiração profunda se torna irresistível.(E aí,já respirou profundamente?) É possível que tanto contágio comece, na verdade, com aqueles neurônios-espelho. Pessoas altamente empáticas, que têm neurônios-espelho especialmente sensíveis ás ações alheias, são também as que mais facilmente"contraem" vontades irresistíveis de bocejar ou respirar profundamente só de ver alguém fazer isso.

A Suzana mantém também um site,onde posta coisas sobre neurociência no cotidiano e curiosidades, o link é esse aqui.

Espero que gostem da indicação e me contem ai nos comentários se vocês bocejaram e se ficaram com vontade de ler o livro.

Beijos!

06 agosto 2015

Por que sentimos saudade ?


Oi Mochileiros,

Tudo bem ?

O texto abaixo foi retirado do livro " Por que o bocejo é contagioso ? ", e explica de forma cientifica e muito simples, o porque de sentirmos saudade, o post sobre o porque do bocejo ser contagioso que tem aqui no blog, veio desse livro também, no post eu resenhei o livro e coloquei a explicação sobre o bocejo (link).

Por que sentimos saudade ?

Porque nosso cérebro é capaz de evocar memorias de sensações e situações passadas e projetá-las para um futuro imaginado. Quando projetamos para o futuro situações associada a emoções negativas, como a tristeza de perder uma pessoa querida ou o medo de ser assaltado, sofremos estresse por antecipação e ficamos ansiosos. Essa ansiedade é muito importante, pois nós faz mudar nosso comportamento e tomar decisões que reduzem a chance de que a projeção desfavorável aconteça de fato.

Ao contrário, quando evocamos e projetamos para um futuro próximo - ou seja, desejamos - um reencontro com uma pessoa querida ou o retorno ao lugar aonde nós sentimos felizes e seguros, a ansiedade assume outra forma, chamada saudade: a ânsia de voltar a estar na companhia de uma pessoa ou em um lugar, alimentada pela possibilidade do reencontro.

Se não fosse a capacidade de usar a mesma região do cérebro que cuida de memórias passadas para lançá-las no futuro, evocar sensações passadas agradáveis daria apenas prazer, e não a ânsia, tantas vezes angustiante, de reviver aquelas sensações. Evocar a presença de um parente morto seria apenas uma lembrança boa, e não algo que nós leva as lágrimas. Essa deve ser a dor maior de perder uma pessoa querida: a certeza de que projeções para um futuro próximo de memória felizes com ela não  mais se tornarão realidade. Ao constatar a impossibilidade só resta ao cérebro...chorar.


E ai gostaram do texto ? Me contem ai nos comentários.  :)

Beijos!