.

.
Mostrando postagens com marcador textos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador textos. Mostrar todas as postagens

25 março 2018

Por que nos damos ao trabalho de viajar?


Olá Mochileiros! Tudo bem? O texto abaixo foi retirado do livro " Por que o bocejo é contagioso ? ", e explica de forma cientifica porém simples, o porque de nos darmos ao trabalho de viajar, o post sobre o porque do bocejo ser contagioso? e porque sentimos saudade? - que tem aqui no blog, vieram deste livro também; as resenhas do livro podem ser encontradas aqui e aqui.


Por que nos damos ao trabalho de viajar?

Os panfletos nas agências de viagens são lindos, com fotos maravilhosas. Dificilmente o pôr do sol no seu destino preferido será tão belo ao vivo quanto na brochura encerada. Florestas têm mosquitos; voos atrasam, barcas lotam, ônibus batem, aviões caem. Sua viagem tem tudo para dar errado.Por que, então, insistimos em fazer a coisa ao vivo, em vez de nos contentarmos com a memória das fotos perfeitas? Se podemos alimentar nosso cérebro com imagens tão lindas e perfeitas, já não é como se tivéssemos estado lá?

Acontece que, se não há outras experiencias a associar a ela, a imagem perfeita é apenas isso: uma imagem. Por isso sabemos a diferença entre o que é memória real e o que é imaginação. Por mais perfeita que pareça, a lembrança de uma foto num postal é uma evocação puramente visual, pobre em detalhes e em comparação a todas as evocações sensoriais, emocionais e contextuais de uma lembrança real vivida no mesmo lugar.


Por isso, ao voltar das sua férias, suas fotos podem não ser perfeitas como as do panfleto da agência (afinal, enquanto a sua é um instantâneo, um fotografo certamente labutou muitos dias para chegar à imagem digna de ser vendida como propaganda). Mas é a sua foto, um aide-mémoire, como dizem os franceses, que, para o seu cérebro (e os das pessoas que compartilharam a viagem com você), vem acompanhado de outras imagens, de risadas, palavras,refeições memoráveis, do calor do sol e do frescor da água, do abraço da pessoa querida em frente a um p^r do sol que a sua câmera se recusou a registrar. Nada se compara às lembranças das experiências reais, particulares ao seu cérebro - nem uma foto perfeita que outra pessoa tirou.

Me contém nos comentários o que acharam do texto. :)

Beijos!