.

.

01 abril 2018

5 coisas que aprendi adotando uma cachorra adulta


Olá Mochileiros! Tudo bem? Desde pequena sempre tive bichos de estimação, cá em casa sempre tivemos o hábito de adotar, e quanto mais aprendo sobre o quão cruel é a comercialização de animais, mais tento trazer pessoas para o lado - adoção da força - ano passado adotei pela segunda vez um animal mais velho, e vim contar pra vocês o que aprendi com meus filhos idosinhos ♥.


Coisas que meus cães mais velhos me ensinaram


1º - Eles já vem com nome, e geralmente não vão se acostumar a um novo, porém eles aprendem a reconhecer os apelidos, minha cadelinha se chama Faísca, o que é justificado pelo tanto que ela é arisca ksksksk, porém existem alguns apelidinhos pelos quais a chamo, que com o passar dos meses passou a entender que se referiam a ela.

2º - Eles vão ter bem menos energia que um filhote e irão passar o dia de forma diferente, se os filhotes que já tive passavam o dia mordendo tudo, correndo e aprontando muito, os cães adultos tendem a serem mais tranquilos e fazer menos estragos. Não que eles não destruam coisas também ksksks 

3º - Ele virá com os hábitos do dono anterior, tanto os bons, quanto os ruins, minha cadela por exemplo era acostumada a comer somente comida, na minha casa temos o hábito de alimentar com ração, então ouve um processo de adaptação ao qual tivemos que ser bem pacientes, hoje em dia ela come a ração tranquilamente. Isso também vale para hábitos que eles poderiam ter nas ruas ou abrigos.

4º - Um adendo ao que eu disse no terceiro item, você ira se acostumar com ele, na mesma proporção que ele se acostumara a você, se nós temos um pouco de dificuldade a mudanças, imagine viver todo o inicio da sua vida de uma forma e de repente isso mudar bruscamente e ter que passar a viver de uma forma totalmente diferente, novamente você terá que ser paciente.

5º - Muitas pessoas temem adotar um cãozinho adulto por medo dele não se afeiçoar a outras pessoas por já ter tido um dono anterior ou sofrido muito nas ruas/abrigo. Na mesma proporção que um filhote te daria amor e carinho um cão adulto também fara o mesmo, eles podem vir um pouco mais velhinhos, com alguns problemas devido aos anos de vida e algumas manias, mas vem também com alegria, de peito aberto e um coraçãozinho cheio de amor para dar.

6º - Dica Extra: É extremamente importante pegar o background anterior do seu novo amigo, sempre que possível, se ele vier de dono anterior/abrigo costuma ser mais fácil, pergunte sobre vacinas, doenças,hábitos alimentares, como esta a saúde dele e etc. Mesmo tendo o histórico do seu cão, é de extrema importância que a primeira coisa que você faça seja procurar um veterinário para um check up principalmente se o seu amiguinho vier da rua e você não souber nada sobre ele, afinal ninguém quer que o seu bichinho sofra ou se vá muito cedo por falta de cuidados.

Espero que gostem do post e me contém nós comentários as histórias dos pets de vocês e o que já aprenderam com eles ate hoje.

Beijos!



28 março 2018

3 novas séries documentais da Netflix que valem a pena


Olá Mochileiros! Tudo bem? Que a Netflix anda arrasando com o conteúdo original, todos nos já sabemos, porém tenho notado o aumento de um certo tipo de gênero que me agrada bastante, que são séries documentais no estilo dos programas do canal a cabo Discovery home and health. Gosto dessa pegada documental informativa, sobre outras culturas e coisas interessantes, com uma vibe mais leve e divertida.


Series do 



Ugly Delicious é uma série original de não-ficção da Netflix que combina viagens, cozinhar e história. Cada episódio destaca um prato ou conceito, e explora como ele é feito em diferentes regiões e como evoluiu. A primeira temporada estreou em fevereiro de 2018 com o anfitrião David Chang. Cada episódio examina a história cultural, sociológica e culinária de um alimento popular específico. Chang desafia e explora as atitudes na ciência de cada prato. Assista aqui.



As casas mais extraordinárias do mundo é uma série original da Netflix apresentada pelo arquiteto Piers Taylor e a atriz, apaixonada por arquitetura, Caroline Quentin. Eles viajam o mundo visitando casas com arquiteturas muito diferentes.. Em cada episodio, eles apresentam diversas propriedades, conversam com os proprietários e os arquitetos sobre a historia, orçamento, localização e detalhes sobre as construções. Assista aqui.



Queer Eye é um remake do programa Queer Eye for the Straight Guy que mostrava cinco homens gays especializados em várias áreas dando um makeover na vida de um homem hétero. Esta retornando com cinco novos protagonistas e a mesma proposta do primeiro show, porém em tempos atuais, em que as coisas mudaram para a comunidade LGBT em relação a primeira exibição. Assista aqui.


Espero que gostem das indicações e me contém nos comentários qual dos programas vocês ficaram com vontade de assistir.

Beijos!


25 março 2018

Por que nos damos ao trabalho de viajar?


Olá Mochileiros! Tudo bem? O texto abaixo foi retirado do livro " Por que o bocejo é contagioso ? ", e explica de forma cientifica porém simples, o porque de nos darmos ao trabalho de viajar, o post sobre o porque do bocejo ser contagioso? e porque sentimos saudade? - que tem aqui no blog, vieram deste livro também; as resenhas do livro podem ser encontradas aqui e aqui.


Por que nos damos ao trabalho de viajar?

Os panfletos nas agências de viagens são lindos, com fotos maravilhosas. Dificilmente o pôr do sol no seu destino preferido será tão belo ao vivo quanto na brochura encerada. Florestas têm mosquitos; voos atrasam, barcas lotam, ônibus batem, aviões caem. Sua viagem tem tudo para dar errado.Por que, então, insistimos em fazer a coisa ao vivo, em vez de nos contentarmos com a memória das fotos perfeitas? Se podemos alimentar nosso cérebro com imagens tão lindas e perfeitas, já não é como se tivéssemos estado lá?

Acontece que, se não há outras experiencias a associar a ela, a imagem perfeita é apenas isso: uma imagem. Por isso sabemos a diferença entre o que é memória real e o que é imaginação. Por mais perfeita que pareça, a lembrança de uma foto num postal é uma evocação puramente visual, pobre em detalhes e em comparação a todas as evocações sensoriais, emocionais e contextuais de uma lembrança real vivida no mesmo lugar.


Por isso, ao voltar das sua férias, suas fotos podem não ser perfeitas como as do panfleto da agência (afinal, enquanto a sua é um instantâneo, um fotografo certamente labutou muitos dias para chegar à imagem digna de ser vendida como propaganda). Mas é a sua foto, um aide-mémoire, como dizem os franceses, que, para o seu cérebro (e os das pessoas que compartilharam a viagem com você), vem acompanhado de outras imagens, de risadas, palavras,refeições memoráveis, do calor do sol e do frescor da água, do abraço da pessoa querida em frente a um p^r do sol que a sua câmera se recusou a registrar. Nada se compara às lembranças das experiências reais, particulares ao seu cérebro - nem uma foto perfeita que outra pessoa tirou.

Me contém nos comentários o que acharam do texto. :)

Beijos!


21 março 2018

Links legais da semana #19


Olá Mochileiros! Tudo bem? Essa semana temos um tinder que conecta animais abandonados com pessoas que querem adotar, uma organização diferente utilizando lego, uma resenha super sincera de um livro super bombado do momento, indicações de makes incríveis e baratinhas, várias dicas do que levar na mala de inverno e o novo clipe lindo e super conceitual da Taylor Swift.

Links da semana



1- Tinder para animais conecta pets abandonados com pessoas interessadas em adotar. (Razões para acreditar)
2- Como usar lego para organizar sua bagunça. (E aí, Beleza ?)
3- Resenha do livro - A sutil arte de ligar o f*da-se. (Bia Jiacomine)
4- Make da crise 29: A base que superou a da Ruby Rose. (Canal Camila Lima)
5- O que levar na mala de inverno. (Canal Chata de galocha)
6- Clipe novo da Taylor - Delicate. (Taylor Swift)

Espero que gostem das indicações e me contém nos comentários qual foi o link favorito de vocês.

Beijos!